segunda-feira, 12 de junho de 2017

Contos da Vampirelle - O Fã de Vampirelle -



O Fã de Vampirelle
Autores: Adriano Siqueira e Dione M. S. Rosa


        Estava no meu quarto deitado na cama com o notebook no colo. Escrevia as últimas linhas do meu diário sobre Vampirelle. Hoje eu a vi em um vídeo na internet postado por um anônimo. O vídeo não tinha muita nitidez e mostrava a vampira atacando muitos homens, deixando-os inconscientes no chão.

       Fico imaginando como ela consegue todo aquele poder, a velocidade e a agilidade deixando os homens sem reação. Ela tem uma força extraordinária. O impacto de seus golpes arremessam longe os adversários em muitos metros de distância. O incrível é que nem olha para eles. É como se não fossem o seu foco real. A luta levou apenas quinze segundos e mais de oito homens foram executados naquele local.

       Não sabia exatamente onde era aquele lugar. Parecia uma rua repleta lojas de roupas no centro de Curitiba. Mas em frente àquela loja havia alguns homens armados e não sobrou nada deles ou de suas armas. Todas foram quebradas por Vampirelle e os pedaços estavam no chão por toda a loja. Havia algumas pessoas aplaudindo e uma menininha pulava com alegria como se a vampira fosse um ídolo. Ela realmente possuía muitos fãs. O vídeo terminou com ela olhando para a câmera num close de vitória e um sorriso mostrando seus proeminentes caninos. Muita gente copiou o vídeo e mandou-o para a TV. O rosto dela olhando para a câmera foi a parte que mais me chamou a atenção. Um dia gostaria de conhecê-la pessoalmente. Ela era simplesmente instigante!

       Não sei de onde ela veio e o que quer nessa cidade. Não é sempre que vampiros se destacam na vida real. Normalmente eles aparecem em filmes ou livros, e assisti a vários. Recordo-me da força do Drácula e de seus poderes. “Drácula, a história nunca contada” mostrou um homem que fez um pacto e adquiriu poderes fenomenais para enfrentar seus inimigos. Fico imaginando se a Vampirelle tem realmente tantos poderes bem que ela poderia ajudar a humanidade. Será que ela se mostraria ou se manteria neutra atuando apenas em Curitiba?

      O meu diário estava bem completo. Um dia poderia publicar um livro sobre ela, se quisesse. Vampirelle é uma personalidade pública muito famosa, certamente o pessoal compraria o livro para saber mais dela. Eu queria vê-la pessoalmente. É meu sonho. Será que é amor platônico? Algo impossível de acontecer. Sonhar faz-me ficar mais perto dela. Espero um dia que ela saiba quem eu sou e que a quero bem. Espero não ser somente mordido e deixado de lado como fez com suas vítimas.

      Vampirelle deve ser temperamental e não acredito que as pessoas lhe dirijam a palavra. Ela não parece ser muito fácil de se entender. Acho que os humanos terão medo de falar com ela com receio de ela possa voar no pescoço deles saciando a sua sede.

     Tenho visto nas redes sociais que os psicólogos alertam o perigo de se apaixonar por alguém platonicamente. Mas não tem jeito, pois eu já estou apaixonado por ela. Imagino o seu poder misturado à sua sede em destruir as pessoas criminosas por perto. Muitos pedem cautela, outros querem que ela se afaste. Muitos a admiram e querem ser amigos dela. Outros tantos almejam ser vampiros como Vampirelle. Mas há outros excêntricos pedindo a ela para entrar em um grupo e tomar o sangue de qualquer um para se alimentar.

       Não vejo comentários de caçadores, mas sei que eles estão preparados para destruí-la assim que tiverem oportunidade. Mas nada disso parece incomodar Vampirelle. Ela nunca dá entrevistas. Aparecem apenas imagens dela e alguns vídeos. Alguns tentam difamá-la, mas mesmo assim ela se mantém incógnita e não se pronuncia. Foi feito um programa de TV especial para falar dela contendo opiniões populares de muitos fãs, advogados, pessoas do exército e da polícia. Lembro que nesse programa, o apresentador disponibilizou o número do telefone na tela para ver se ela ligava para o programa, a fim de conversar com o público, mas foi em vão. Vampirelle não ligou.

       Fico preocupado se ela não aparecer mais em público e sumir de vez. Quantas pessoas sentiriam a sua falta devido às brigas que ela comprou, mas ainda há os que dizem absurdos dela. Muitos querem que continue aparecendo nas horas difíceis, desarmando gente malandra e bandidos. A vampira chamou a atenção de todos, os quais ficam muito empolgados com sua presença. Ela é uma luz de justiça que brilha em meio aos crimes e é a personalidade mais procurada da mídia.

       Eu vi uma empresa mencionando que queria fotógrafos em seu encalço, bem como policiais para caçar a Vampirelle e que estão dispostos a pagar uma fortuna para quem tirar fotos dela e a encontrar.

       Dizem que ela aparece para quem realmente deseja. Será que ela quer que o mundo a conheça ou não? O certo é que não se fala em outra coisa. Alguns sugerem que ela veio do espaço e outros acham que é um espírito ou um humano que foi produzido para fazer algum tipo de propaganda para um livro ou um filme.

       Essa vampira é um mistério para todos.

      Bem... estou muito cansado de tanto imaginar coisas sobre Vampirelle. Chegou a hora de dormir. Olhei para a janela e vi luzes se acenderem na cidade.  Moro no sétimo andar e tenho uma boa visão dos prédios e do céu repleto de estrelas.

     Deitei-me na minha confortável cama e, ao me virar, vejo na janela uma sombra aparecer. Aos poucos se delineiam cabelos balançando ao vento. Estou sonhando? Posso jurar que vi a silhueta de uma mulher na minha janela. Virei-me para o outro lado, mas continuei vendo uma sombra na parede. Tomei coragem e olhei novamente. Eu não acreditava no que estava vendo. Era ela. Vampirelle abriu a janela do meu quarto e entrou. Aproximou-se de mim e olhou-me longamente, enquanto permaneci petrificado. Não sorriu, apenas ficou me encarando com aqueles olhos grandes, castanhos e bem pintados com delineador e longos cílios postiços, enquanto o quarto todo se inundou do seu delicioso perfume.

      Depois ela olhou para cima e, num passe de mágicas, levitou suave e lentamente desaparecendo como fumaça pelo teto. Eu queria gritar e pedir para não ir embora, mas não consegui. Tinha tantas perguntas a fazer, mas fiquei em completo silêncio. Depois corri até a janela ver se havia algum sinal dela, mas foi em vão.

       Eu jamais esqueceria aquela noite e nem dela, a vampira Vampirelle. Agora dormiria em paz com aquela visão amparadora e estonteante. 


quinta-feira, 8 de junho de 2017


VAMPIRELLE, A VAMPIRA NA CAPA DA ANTOLOGIA "O SANGUE DOS VAMPIROS"


ORGANIZADA POR ADRIANO SIQUEIRA


PELA EDITORA FRAGMENTOS





quarta-feira, 24 de maio de 2017

História em Quadrinhos sobre Vampiros

CONVITE MORTAL

Uma história em Quadrinhos sobre vampiros























FIM



Texto: Adriano Siqueira e Dione M. S. Rosa
Atores: Guilherme Confortin (cineasta), Isabelle Aguilar (Vampira), Rubens Faria Gonçalves (caçador)
As fotos foram tiradas na casa do Comendador Francisco Souto Neto
Fotos: Adriano Siqueira








segunda-feira, 22 de maio de 2017

Contos da Vampirelle - A Caçada Mortal




A CAÇADA MORTAL

(CONTOS DE VAMPIRELLE)


− Onde está Vampirelle? − um homem de dois metros de altura aparentando 30 anos, que mais parecia um lutador de UFC, levantou um rapaz magro com apenas uma das mãos. Sua voz era rouca e poderosa. Todos estavam com medo de enfrentá-lo. O bar estava cheio e o rapaz estava assustado. Ele não tinha forças para falar e nem conseguia se livrar da sua pesada mão. 

− Eu vou destruir tudo se não me disserem onde está aquela vampira! Vão me dizer ou terei que mostrar-lhes a minha força...

[...]

Enquanto isso, ele foi enfático:

− Brinque o quanto puder, vampira. Eu cuidarei de você!

Trator jogou o rapaz em cima de uma mesa, que se arrebentou com o impacto do corpo do jovem, assustando todos. Ele se virou para a porta e saiu em busca da vampira. Quando tudo parecia calmo e os funcionários estavam limpando o local, apareceu um outro homem de cabelo castanho comprido de esfuziantes olhos verdes usando uma capa de lorde. Ele caminhou calmamente pelo local até chegar no balcão e perguntou ao funcionário:

− Meu nome é Danny Ray I, e estou procurando Vampirelle.

O funcionário olhou para o pessoal do bar e comentou:

−Vampirelle está famosa mesmo! Tem muita gente procurando por ela!

Danny Ray segurou o colarinho do funcionário com as duas mãos e proferiu:

− Isso não é uma brincadeira! Ela está em perigo e preciso encontrá-la.
− Calma, amigo! Eu vou dizer o que sei sobre ela.


Há alguns quilômetros daquele local em um parque, caminhavam à luz da lua, Vampirelle e a fotógrafa Sofia. A vampira usava roupas negras, valorizando um discreto decote. Com longas botas negras e de salto alto, ela andava pelo jardim desfilando parecendo uma deusa de imortal poder gótico.

Elas comentavam sobre os acontecimentos passados:

−Acredita mesmo que os caçadores de vampiros podem querer matar você, Vampirelle?

− Sim, Sofia. Caçar é a razão da existência deles. Não importa se os vampiros são pacíficos ou não. Eles querem destruir a todos. E quanto as fotos?

− Estarão hoje nas redes sociais as fotos que tirei de você. A mídia sempre quer mais e mais fotos suas. Não é sempre que uma vampira de verdade aparece e ainda coloca imagens nas redes sociais. 

− Não tenho nada a esconder, Sofia. Além disso a humanidade precisa saber que as criaturas como nós existem e podem ajudar a melhorar o mundo que vi...

De repente, Vampirelle percebeu um estrondo e agarrou Sofia pelo braço, levando-a para trás de uma estátua de bronze, deixando-a em um lugar seguro. Logo após esse movimento, Sofia, sem entender direito o que estava acontecendo testemunhou uma explosão à sua frente:

− Onde está, você vampira? – O brutamontes estava de volta. Trator estava com uma arma lançando granadas:

− Entregue-se, Vampira!

[...]

 Trator riu, afirmando:

−Você vai morrer! 

− Hoje não, Trator. 

Ela bateu na cara de Trator várias vezes. Ele resistiu e a segurou pelos ombros: 

− Sua vida não significa nada! Vou acabar com você e depois com a dos seus amigos.

− Posso brincar também? − falou uma voz solene. Trator é pego de surpresa. Ele nunca iria imaginar que alguém teria coragem de aparecer e interromper a sua briga.

− Mas quem você pensa q...

Um potente soco jogou Trator longe, deixando Vampirelle caída. Ela viu aquele homem e proferiu: 

− Não se meta nos meus negócios, Lord Danny Ray I. 

− Eu só vim avisá-la de que alguém a está caçando.

− Não diga. Todo o tempo me caçam! Vá embora!

− Mas eu...

Antes que o Danny dissesse algo, Vampirelle empurrou-o, mas os dois caem, e Danny questionou-a:

− Você não deveria enfrentá-lo, Vampirelle. É o alvo dele.

− Acontece que ele também é meu alvo. Você é que deveria sair daqui, Danny. Um vampiro como você deveria estar em um castelo contando as suas aventuras para os visitantes. 

− Está me chamando de velho? 

−Velho, não. Apenas ultrapassado. 

− Eu vou mostrar quem é ultrapassado...

Danny Ray se metamorfoseou em uma coruja branca e foi em direção de Trator. Danny se transformou em um grande lobo a fim de atacar Trator, mas esse agarrou o pescoço dele tentando quebrá-lo. 

− Vou matar mais de um vampiro hoje! − afirmou Danny.

Usando descomunal velocidade, Vampirelle pegou as granadas que estavam no chão e as colocou dentro da calça de Trator. Danny se transformou em um morcego e conseguiu livrar-se das mãos dele. Enquanto ele correu para um lugar seguro, Trator explodiu em mil pedaços.

− Eu não disse que poderia enfrentá-lo, Vampirelle? Eu ainda sou o melhor vampiro que esse mundo já viu.

− E o mais convencido também!

Os dois vampiros caminham calmamente pela praça e agora eles sabiam que muitos viriam atrás deles, mas eles estarão de prontidão para qualquer batalha.  

Autores
Adriano Siqueira e Dione M. S. Rosa

Fotos da Vampirelle na Megacon 2017 - Paraná



Isabelle Aguilar é Vampirelle!



                          Com seu namorado e incentivador Guilherme Confortim


No standard "Museu dos Vampiros" na Megacon de 2017



Duas lindas vampiras desfilando a roupa de Elvira, a vampira abraçadas por Adriano Siqueira



Com Dione M. S. Rosa promovendo seus livros, inclusive "Luar de Sangue"





Com Adriano Siqueira no Megacon